Junho Vermelho: CAASP reforça campanha ‘Doação que Salva Vidas’

Muitos advogados e muitas advogadas recorrem à CAASP para socorrer familiares, amigos e colegas que precisam de sangue para transfusão. Ciente da importância desse gesto ser feito não apenas uma vez, quando um ente querido encontra-se necessitado, mas regularmente, é que a Caixa de Assistência mantém, há dez anos, a campanha “Doação que Salva Vidas”, em parceria com o Hemocentro da Santa Casa de São Paulo.

“Em meio ao ‘Junho Vermelho’, movimento nacional de incentivo à doação de sangue, a Caixa renova seu apelo ao espírito humanitário e solidário da advocacia, conclamando a classe a doar sangue”, afirma a presidente da CAASP, Adriana Galvão.

campanha é válida durante todo o ano. Porém, o chamado se faz mais importante nesta época, porque alguns fatores, como as baixas temperaturas, inibem as pessoas a saírem de casa. Além disso, é neste período que há aumento de síndromes gripais, condição que impede temporariamente as pessoas de doar sangue.

Na unidade escolhida, o advogado ou a advogada passa por faz um teste rápido para ver se está com anemia, responde a um questionário clínico cuja finalidade é avaliar os antecedentes patológicos e os possíveis fatores de risco daquele candidato à doação. Preenchidos esses requisitos, começa a coleta de sangue.

A ato não provoca nenhuma repercussão negativa no organismo do doador. O volume médio de sangue que uma pessoa tem no corpo chega a cinco litros, aproximadamente. Pode-se retirar, no máximo, nome mililitros por quilo de peso. Portanto, uma pessoa de 50 Kg doa cerca de 450 ml de sangue. Após a coleta, aguarda-se um pouco, o doador recebe um lanche para repor líquidos/sólidos e é dispensado.

No Brasil, o percentual de doadores é de 1,9% da população. Em nações mais avançadas, a média gira em torno de 3% dos habitantes. Há países em que chega a 5%, como a Escócia.

Em maio, a Fundação Pró-Sangue, instituição vinculada à Secretaria Estadual da Saúde que fornece bolsas de sangue para mais de 80 centros médicos, divulgou nota sobre a situação crítica de seu banco, que está com 31% do estoque necessário. A Fundação informou que a reserva de sangue do tipo negativo opera em estado de emergência. Por exemplo, O positivo está com apenas 5% da capacidade necessária.

“A situação é preocupante e precisamos da ajuda da população para reverter esse quadro, que só pode ser mudado com o gesto voluntário dos doadores de sangue”, diz a nota, que destaca: “Apesar de os sangues negativos estarem com o estoque em emergência, todos os tipos sanguíneos são necessários”.

Se não há sangue num hospital, cirurgias são canceladas, pessoas em tratamento de câncer e com anemias crônicas têm seus tratamentos interrompidos. Numa única doação de sangue, obtêm-se quatro componentes diferentes (hemácias, plaquetas, plasma e crioprecipitado) que são utilizados em quatro situações clínicas, cada um deles com uma característica própria de armazenamento e duração.